São Paulo, Brazil
(JORNALISMO INDEPENDENTE) Contato: diego_graciano@hotmail.com

6 de outubro de 2009

Alguém se importa com o espetáculo?

Em tempos de pouquíssima estrutura do futebol feminino na América Latina, a Conmebol e o Santos Futebol Clube organizam a primeira Copa Libertadores Feminina, na região exclusiva do futebol masculino. Parece louvável o incentivo, porém na América Latina nunca se criou uma semente da atividade e agora pretendem plantar uma árvore! Poderá o oportunismo derrotar toda uma cultura historicamente oposta?.
Uns poucos estão fazendo um ótimo negócio enquanto nós assistimos um futebol que mostra a dura realidade do futebol feminino na região.
Alguém se importa com o espetáculo?.
Nos dois primeiros jogos disputados o time brasileiro fez quinze gols. Há placares semelhantes ao ultimo torneio sul americano em que a melhor do mundo participou. No Chile 2006, Brasil fez 37 gols em sete jogos! Naquela ocasião, havia escasso público e nenhum jornalista brasileiro credenciado. Só eu. Enquanto Santos montou uma seleção brasileira (Brasil é terceiro do ranking mundial FIFA) as adversárias estão distantes anos luz em conquistas, talento e experiência internacional. Os outros países representados nesta Copa (com exceção da Argentina e Venezuela, 27º e 72º colocados respectivamente) estão fora do ranking de mais de uma centena de países, determinada pela inatividade daqueles em competições nos últimos dezoito meses, como mínimo.
Entretanto, a melhor jogadora do mundo (que participa no Brasil de duas competições muito fracas conforme seu nível) irá receber, em apenas oitenta dias de estadia, as recompensas que nenhuma futebolista sul-americana conseguira juntar em toda sua carreira jogando no seu próprio país.

2 comentários:

  1. Não sei se entendi, mas seria um campeonato meramente marketeiro, para uma única seleção, de fato, com uma única "estrela'?

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito do texto sobretudo pela proposta de refletirmos sobre muitas coisas que estão por traz do simples futebol. Agora o melhor de tudo foi o trecho que você menciona que no último torneio disputado no Chile/2006 não havia nenhum outro jornalista brasileiro credenciando, só você. Valeu Diego o jornalista Argentino mais Brasileiro do Mundo!
    Um grande abraço! Giovani

    ResponderExcluir