São Paulo, Brazil
(JORNALISMO INDEPENDENTE) Contato: diego_graciano@hotmail.com

29 de dezembro de 2010

A Riquelme do Boca Juniors feminino

Vanesa junto a sua mae María, em Buenos Aires (foto: D.G.)
Com apenas vinte anos, Vanesa Santana conquistou quatro títulos do torneio feminino argentino com Boca e um vice sul-americano Sub 20 com a seleção nacional. Além disso, seu gol contra o máximo rival (River) foi fundamental para ganhar uma vaga na Taça Libertadores, que levou Boca a jogar uma desicão inédita contra o Santos. 
Criada pela sua mãe (o seu pai abandonou ela quando criança) Vanesa se destacava em times amadores dos torneios masculinos: Artilheira por tres anos consecutivos no Futsal, Vanesa mostrava o seu talento entre homens no humilde bairro Fuerte Apache, refugio nos inícios de seu ídolo Carlitos Tevez.
Hoje, jogando para Boca Juniors, Vanesa também faz treinos com os juvenis de Nueva Chicago e Deportivo Italiano. “Eu não gostava que jogasse com homens. Mas si não deixava  jogar, ela chorava e se negava a comer” conta sua mãe Dona María Santana, sobrenome que Vanesa leva na sua carteira de identidade. A sua mãe fez de tudo para atingir os sonhos da sua filha: Bancou roupas, viagens, refeições, e acompanhou ela (com quinze anos) a um teste no Boca.
A Dona María trabalha como ajudante de cozinha e também colabora em comunidades de crianças carentes de Buenos Aires. Dos cinco irmãos de Vanesa, os dois homens se ganhan a vida trabalhando como pedreiros. A meia polifuncional mora em um bairro modesto de Buenos Aires, estuda pela noite no ensino médio, e como jogadora do Boca ganha R$ 128,00 mensais. Na seleção nacional (convocada aos 16 anos) ela recebe R$ 78,00 por semana, só quando a equipe treina tres vezes por semana.
“Gostaria muito de conhecer Marta” disse Vanesa, uma moça bem simples, em entrevista ao El Diego, em Buenos Aires.

Um comentário:

  1. La verdad es que Vanesa es una jugadora terrible. Tiene un sacrificio enorme. Vive el fútbol de una manera que no se puede explicar. Tuve el placer de entrenarla y en todos los años que ha jugado conmigo la he visto crecer en lo futbolístico y en lo humano. Es muy humilde y da el cien por ciento en todas las actividades. Ojalá algún día se le reconozca todo el sacrificio que está haciendo para llegar lo mas alto posible en el fútbol.

    ResponderExcluir