São Paulo, Brazil
(JORNALISMO INDEPENDENTE) Contato: diego_graciano@hotmail.com

12 de outubro de 2010

“No futebol de base escasseia o talento”

Andrés Lillini Coppari, coordenador das divisões de base do Boca Juniors (de visita em São Paulo) explica por que na Argentina não surgem novos craques.

DFS GOL BUSINESS traz a reconhecida marca Boca Juniors a São Paulo com o fim de abrir escolinhas do futebol e fidelizar admiradores "xeneizes" no país do Penta. “Gostaria de inculcar a mesma paixão que o jogador do Boca sente pela sua camisa” disse Andrés ao El Diego, que com a sua metodologia de trabalho, viaja pelo mundo capacitando aos franqueados.

A formação dos atletas é tema de debate, no Brasil e na Argentina. Para Zico “os técnicos da base estão lá só para ganhar o título, não para formar o jogador. Chamam o garoto de filho da puta, o xingam mesmo. É um horror a falta de preparo” disse recentemente na revista Placar.
Para Sergio Batista “cada dia há menos técnica. Exigem dos técnicos só ganhar torneios. Temos um monte de Xavis e Iniestas pequenininhos, mas lhes damos pesos em lugar de bola, estamos mal” afirmou ao jornal Clarín.

O experiente Andrés Lillini discorda em parte: “Não mudou a forma de ensino, só deixaram de surgir grandes jogadores. Antes havia muitos. Hoje escasseia o talento. Mas Boca destaca-se na formação pela qualidade da sua estrutura. Concordo com Batista de que o técnico não deveria trabalhar sob pressão. Por outro lado, acredito que aos quatorzes anos (não aos oito) o jogador tem que estar preparado para se sentir um vencedor, e se ele não está fisicamente forte, não poderá competir em um nível europeio".

Foto: Escolas de Futebol do Boca Juniors