São Paulo, Brazil
(JORNALISMO INDEPENDENTE) Contato: diego_graciano@hotmail.com

28 de junho de 2014

O craque moleque: James Rodriguez

Aos 22 anos, James dá show na Copa.
A seleção do competente treinador José Pekerman venceu seus quatro jogos da fase de grupos fazendo um total até o momento de onze gols, cinco deles conquistados pelo novo craque e artilheiro da Copa, também líder de assistências, o craque James Rodriguez, de apenas 22 anos. Aos 17, James tornou-se o estrangeiro mais jovem em disputar o Campeonato Argentino, jogando no time modesto de Banfield. Hoje, no 2-0 a Uruguai, ele produziu talvez o gol mais bonito do Mundial até agora. Mas é importante destacar que a Colômbia não depende só dele. A segurança do ótimo goleiro David Ospina, o capitão e ídolo Yepes, de 38 anos, a experiência de Pablo Armero, o talentoso Juan Cuadrado, o atacante Víctor Ibarbo, os defensores Zuñiga e Zapata, entre outros bons jogadores. A seleção colombiana se mostra confiante, entrosada, e com uma torcida numerosa no Brasil. Pela primeira vez, a Colômbia chega as quartas de final de um Mundial. Vence e convence, sem badalação nenhuma, e sem o genial Falcão Garcia em campo.

Chile épico

Travessão e milagre no Mineirão. Foto AP  
Um erro grave de arbitragem contra Croácia e dois gols mal anulados a favor de México, teriam colocado Brasil frente a temida Holanda nas oitavas. Mas o destino quis o Chile, que hoje fez uma partida histórica, empatando 1-1, com os dois gols chilenos. Nos acréscimos da prorrogação, a bola explodiu no travessão impedindo um inédito "Mineirazo". Nos anfitriões, foram destacados os mais contestados pela torcida: Hulk (fez um gol mal anulado) e Julio César (salvou do vexame em casa) que voltou à seleção brasileira somente pela confiança do técnico Felipão. Além de herói nos pênaltis, o goleiro fez uma grande defesa no segundo tempo. Merecida a revanche pessoal após a eliminação no Mundial passado. O Brasil ficou devendo futebol e sua maior estrela não apareceu (até foi absolvido pelo juiz do segundo cartão amarelo que o deixaria fora das quartas) Chile, de bela participação na primeira fase, hoje lutou, marcou, e deixa a Copa muito dignamente. O Penta ganhou dois jogos sem brilhar e empatou outros dois com sabor amargo.