São Paulo, Brazil
(JORNALISMO INDEPENDENTE) Contato: diego_graciano@hotmail.com

10 de julho de 2014

Argentinazo

Argentina bate Holanda nas quartas. AP
Justo no dia 9 de julho, que se comemora a independência do país, Argentina se classifica para jogar uma final do mundo após 24 anos, contra a sempre favorita Alemanha, mesma adversária do ‘86 e ’90. O sonho do tri continua graças à belíssima atuação da defesa argentina contra Holanda (muito criticada na prévia da Copa) que, aos poucos foi consolidando-se. Dessa vez, os protagonistas não foram Messi nem os badalados atacantes, e sim, o contestado goleiro Romero nos pênaltis (espetacular! lembrou Goyco), a segurança da defesa e o grande Javier Mascherano, que parou Robben, um dos melhores jogadores da Copa. É para destacar o esforço e a coragem dos "sem imprensa": Garay, Rojo, Biglia, Zabaleta e Perez. Parabéns! Sendo mais visitante do que nunca, Argentina é finalista no Brasil, de forma invicta, da mão de Messi, de onze guerreiros, e de uma torcida invejável que dá show nos estádios. Uma conquista heroica, seja qual for o resultado no próximo domingo.

7 de julho de 2014

Costa Rica, campeã mundial do esforço

O colombiano declarado cidadão "tico". AP
Possível revelação da Copa? Nem pensar. Segundo os analistas, a Costa Rica era o "saco de pancadas" do Grupo da Morte, adversária de três seleções campeãs do mundo, fato inédito do Grupo "D" na história das Copas. Para os comentaristas, não tinha a menor chance até de vencer sequer um jogo. Nesse panorama, o país de apenas uns 4,8 milhões de habitantes e com técnico estrangeiro (o colombiano Jorge Pinto) foi a grande surpresa e saiu eliminada de maneira gigante do Mundial, pela primeira vez nas quartas de final, e sem perder nenhum jogo na competição. Derrubando todas as bolsas de apostas, ganhou de dois campeões mundiais e empatou contra Inglaterra. Como primeira colocada na fase inicial, jogadores com zero badalação lhe deram VIDA ao Grupo da Morte. Venceu Grécia e perdeu por pênaltis contra Holanda. Um time muito guerreiro, que também poderia considerar-se campeão da felicidade.