São Paulo, Brazil
(JORNALISMO INDEPENDENTE) Contato: diego_graciano@hotmail.com

16 de agosto de 2014

Pelo amor de Deus

Torcedor ilustre (Foto: El Gráfico)
Após se livrar do rebaixamento e de uma crise institucional, San Lorenzo de Almagro se consagrou campeão argentino. Em janeiro de 2014 o plantel viajou ao Vaticano para oferecer a Taça a seu torcedor mais ilustre. Sete meses depois daquele encontro, o clube mais abençoado do mundo, de forma inédita, ergueu a Taça mais importante de América. 2014 tornou-se um ótimo ano para o futebol argentino, que após a conquista do vice-campeonato mundial no Brasil, retoma o protagonismo no historial da Taça Libertadores (lidera com 23 títulos) depois de quatro anos consecutivos em mãos de times brasileiros. Aliás, o Brasil disputou as últimas nove decisões do certâmen. Nesse ano, San Lorenzo eliminou três das seis equipes representantes do país (Botafogo, Grêmio e Cruzeiro) Curiosamente, o ultimo time grande argentino a ganhar a Taça, foi pioneiro nacional em joga-la. E também em converter o primeiro gol argentino na história da competição, contra Esporte Clube Bahia, em 1960, no estádio do seu arquirrival Huracán. O autor foi Coco Rossi (3-0), segundo informou o jornal La Nacion. San Lorenzo e Nacional de Paraguai jogaram um bom futebol. Eles não contam com jogadores badalados e chegaram à final com folhas salariais equivalentes a de times modestos do futebol brasileiro. Pela capacidade da nova condução, que soube abaixar as dívidas do clube, organizar um elenco jovem e voluntarioso, e aproveitando o marketing do "papado", aumentando consideravelmente seus sócios em todo o pais (além de novos admiradores no exterior), San Lorenzo é um justo campeão. Em Marrocos, haverá que imitar ao técnico Cuca: Ajoelhar-se e rezar.